VERDEMÃ

COBITIS PALUDICA

Alimentação – Detritívora bentónica

Família: Cobitidae

Espécie Autóctone

Distribuição Global: Endemismo ibérico. A sua área de distribuição natural abrange as bacias hidrográficas dos rios Ebro, Douro, Tejo, Guadiana, Guadalquivir, Segura, Júcar e outras bacias do Sul. Possivelmente introduzida no rio Minho.

Morfologia: A verdemã é um peixe de pequenas dimensões (inferior a 20 cm) sem escamas ou tão pequenas que só se podem distinguir à lupa. Apresenta um corpo alongado com boca inferior de pequena dimensão e com três pares de barbilhos na região da boca. A barbatana dorsal é pequena, geralmente os machos são menores que as fêmeas, apresentando na base do segundo raio das barbatanas peitorais uma lâmina circular a escama de canastrini.

Nativa: Sim

Migração: Não

Longevidade: 4 a 5 anos

Comprimento: Até 15 cm

Época de reprodução: Maio-Junho

Habitat geral: A verdemã ocorre nas partes médias e baixas dos rios. Esta espécie associa-se a habitats com pouca corrente, pouca profundidade, fundos de areia, gravilha, lodo e pedras e vegetação. Ocorrendo em rios com coberto arbóreo pouco desenvolvido, solos ácidos e com sedimentos (areia). A pluviosidade parece estar associada negativamente com a abundância desta espécie no rio Mira.

Alimentação: A verdemã é considerada como detritívora bentónica, mas alguns autores constataram que se alimenta de larvas de dípteros (quironomídeos, simulídeos e ceratopogonídeos), efemerópteros, ostrácodes, algas unicelulares, cladóceros, moluscos e crustáceos.

zona de origem